DUXXI na Mídia

Duxxi sai do papel e começa a operar hoje

Valor Econômico - Novembro/2013

A partir de hoje, mais uma imobiliária de capital aberto abre suas portas. Trata-se da Duxxi Imobiliária, que pretende se tornar, em três anos, uma das maiores do segmento liderado pelas duas outras empresas de corretagem listadas em bolsa - Lopes e Brasil Brokers. A imobiliária dá início à sua fase operacional com R$ 30 milhões de aportes feitos pelo controlador, um fundo alemão. Os recursos serão desembolsados no primeiro ano de operação em infraestrutura, tecnologia e marketing.

A fase operacional da Duxxi - nome associado ao termo latim dux (governador de províncias romanas) e ao século XXI - começa pela abertura da unidade de Barueri, na Grande São Paulo, que responderá por 10% das operações da empresa. Na quinta-feira, começam as atividades em Campinas, unidade que terá a fatia de 30% dos negócios. No próximo dia 11, será a vez do principal escritório, no Jardim Paulistano, na capital paulista, com 60% das operações na etapa inicial.

"Pretendemos ter cobertura nacional, em todas as capitais, ao longo de dez anos", afirma o diretor financeiro e de relações com investidores da companhia, José Eduardo Araújo.

A empresa tem capital aberto desde 2010, mas não possui ações negociadas no mercado e estava em fase pré-operacional até agora. Em breve - período não informado - fará seu lançamento inicial de ações (IPO), para que o mercado possa precificá-la, segundo Araújo. Não há necessidade, conforme o diretor de relações com investidores, de recorrer a uma oferta de ações para capitalizar a imobiliária.

A Duxxi foi criada pelo fundo Metropolis Capital Markets, sediado em Frankfurt. Inicialmente, o nome da empresa era Metropolis Empreendimentos Imobiliários. Em meados do ano passado, o fundo começou a procurar executivos com experiência no mercado imobiliário para compor a equipe que definiria as diretrizes da imobiliária e conduziria o dia a dia. A constituição formal do time teve início em janeiro deste ano.

À frente da imobiliária, está o diretor-presidente Claudemir Menegatti, ex- Abyara e ex- Fernandez Mera. Araújo, o diretor financeiro e de relações com investidores, fez parte dos quadros do Itaú Unibanco e da Coelho da Fonseca. Roberto Nascimento, ex-Zap, ex- Lopes e ex-Imovelweb é o diretor de TI e marketing. Daniel Aranovich, ex- Incorpore Planejamento e Construções, ex- Cyrela Brazil Realty e ex-Abyara, assumiu o cargo de diretor de novos negócios. Cleber Pulze, ex-Abyara, é o diretor comercial e técnico da Duxxi, e Reginaldo Almeida, ex-Lopes, diretor de operações.

Menegatti, Pulze, Marcelo Dornelas e Roberto Sidi são acionistas da companhia, com 11% de participação conjunta, enquanto o fundo alemão detém 79%. Dornelas e Sidi não são executivos da empresa, mas buscarão negócios para a Duxxi. Os principais executivos, poderão exercer suas opções de ações (stock options) e se tornar acionistas. Conforme a política de retenção adotada, os colaboradores também poderão se tornar sócios da imobiliária, com base na meritocracia.

A Duxxi atuará nos mercados primário, de imóveis novos, e secundário, de usados. Para se tornar uma das maiores empresas de corretagem do país, de acordo com o diretor de relações com investidores, a aposta da Duxxi será no crescimento orgânico. A expansão por meio de aquisições, que impulsionou as concorrentes Lopes e Brasil Brokers nos últimos anos, não é considerada.

No momento, há conversas para participar de lançamentos de incorporadoras de capital aberto e fechado. A imobiliária está disposta a compartilhar a venda de lançamentos com concorrentes, o que é chamado de dividir placa, no jargão do setor. "Temos uma equipe de profissionais competentes, acostumados a dividir plantões de vendas", diz Menegatti.

Entre as principais estratégias da Duxxi, está o uso da internet como pilar de venda e não somente como área de suporte. Conforme Nascimento, por se tratar de uma empresa nova, a Duxxi "pode arriscar e ser mais audaz". De acordo com o diretor de TI e marketing, o volume de vendas de imóveis originadas pela internet fica em torno de 10% a 15%. A meta da Duxxi é que essa fatia chegue a 50%.

Para acessar o documento em pdf, clique aqui.